A saga de um garoto irlandês deve conquistar o Oscar

Foto: O garoto Jude Hill interpreta Buddy, em Belfast.

Não é nenhuma novidade que o cinema nasceu historiando a realidade cotidiana, tanto de lugares como de pessoas, seus feitos e acuidades. O uso do que chamo de “pirotecnias visuais” no cinema, seriam efêmeras com os super-heróis, embora já existissem na época inicial da movie-art.  

Atualmente exacerbada em sua criação, essa pirotecnia visual vem nos saturando naquilo que é supérfluo, até de forma inconsequente. Pelo menos, nas pessoas que tem uma noção da realidade humana como ela ainda é. Isso, em razão das facilidades visuais midiáticas e do diáfano enganoso da telinha.

Bem posta é a análise que nos faz Paulo Emílio Sales Gomes, em seu rico livro O Cinema do Século, um calhamaço de mais de seiscentas páginas, que recebi de presente de minha filha Patrícia Araújo, havia algum tempo atrás. Paulo Emílio fala da esperteza dos pioneiros do cinema, como os Méliès, por exemplo, que se interessaram profissionalmente por registros cinéticos da vida como ela é de fato. Filmes, Chegada do trem na estação de Paris, também, Saída dos operários da fábrica retratam um típico cinema documental sobre o cotidiano das pessoas, seus ambientes e fazeres.

Em razão dessa originalidade óbvia do cinema, gostaria de admitir como minha, também, afirmação de um influente poeta francês do início do século passado, Guillaume Apollinaire, que disse sobre o cinema de Mélièr: Il et moi faisons à peu près le même métier, on essaie de charmer le vulgaire. Que em bom português significa: “Ele e eu fazemos praticamente o mesmo trabalho, tentamos encantar o vulgar.” Aqui, um conceito de “vulgar”, evidentemente, voltado para aquilo que é corriqueiro, trivial, na vida normal das pessoas; um misto de “encantamento” através de um écran imagético, que só o cinema nos oferecia anteriormente. Daí, as origens do filme Documentário, depois, das narrativas em forma de folhetim (ficção).

E é nesse universo trivial do cinema, lógico, que mergulho em Belfast. Já se viu narrativa mais “artesanal” que a desse longa do diretor norte-irlandês Kenneth Branagh, que também escreveu o roteiro?

Mesmo com várias indicações ao Oscar, que se realiza neste domingo em Los Angeles, Califórnia, EUA, Belfast não é um tipo de filme para encantar os sonhos hollywoodianos. Para alguns, “um dramalhão”, o que não concordo, é filme que reverencia a essência do cinema, naquilo que lhe é mais simbólico: a existência comum das pessoas, épocas e fatos. Que o diga a própria técnica visual adotada: um preto & branco fascinante, que diz tudo sobre aquilo que foram os conflitos e destruições entre católicos e protestantes, na Irlanda do Norte, em trinta anos, das décadas de 1960 até 1990.

Na realidade, contando com um bom elenco encabeçado pelo pequeno Jude Hill, que vive o papel de Buddy, cujos pais são os atores Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza) e Caitriona Blafe, do seriado Outlander, o filme se passa todo pela visão do garoto. Como se fosse um traço semiautobiográfico do próprio diretor Kenneth Branagh.  Mesmo não estando no streaming (Amazon, Netflix, Now, Flix e demais), mas já em cartaz num dos cinemas de shopping da cidade, assisti (at home) à Belfast, graças ao meu filho Alexandre MCS, expert em assuntos midiáticos.


APC aplaude e debate “Paraíba na Literatura III”

Integrantes da Academia Paraibana de Cinema, reunidos na manhã de ontem (sábado), no Cine Mirabeau, discutiram sobre a publicação da Editora A União, “Paraíba na Literatura III”. O encontro sobre a importante obra foi composto pelo acadêmico da APC Mirabeau Dias, Cadeira 12, que tem como patrono o jornalista Assis Chateaubriand.

Um dos temas mais assinalados na ocasião, incluído na obra com o título “O Poeta Esquecido”, foi sobre o vate paraibano de Lucena, Américo Augusto de Souza Falcão, ainda, sobre o audiovisual que narra a história de vida do poeta, realizado em 2015, também pelo acadêmico da APC Alex Santos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.